Quem foi Dr. Hamer

Por Dr. Luis Felipe Espinosa

O Dr. Ryke Geerd Hamer nasceu em 1935 na Alemanha. Ele estudou medicina na Universidade de Tübingen, especializada em medicina interna em 1972. Trabalhou no Hospital Universitário de Tübingen como um internista cuidando de pacientes com câncer e, ao mesmo tempo, realizava sua prática médica privada com sua esposa Dra. Sigrid Hamer.

Em 18 de agosto de 1978, enquanto em Roma, Hamer recebeu a notícia traumática de que seu filho Dirk havia sido seriamente ferido por uma arma de fogo. Em 7 de dezembro de 1978, Dirk morreu depois de passar vários meses no hospital sem ter conseguido se recuperar.

Apenas alguns meses após a morte de seu filho Dirk, o Dr. Hamer foi diagnosticado com câncer testicular metastático avançado. Ele realizou apenas um tratamento cirúrgico, sem quimioterapia ou radioterapia. Essa experiência inesperada e difícil levou-o a questionar se o desenvolvimento de seu câncer poderia estar ligado de algum modo à perda de seu filho. Intuição que marcou o início de uma importante história de descobertas científicas que ele fez no campo da medicina clínica.

Na época, sendo chefe do serviço de Medicina Interna de uma clínica de oncologia da Universidade de Munique, ele começou a investigar as histórias de seus pacientes com câncer e logo descobriu que, semelhante a ele, todos haviam experimentado diversos tipos de choques inesperados que tiveram uma relação temporal com o início de seus processos oncológicos. Ele estava encontrando padrões e perguntou sobre eles.

Ele então continuou sua pesquisa seguindo a hipótese de que, se todos os processos corporais fossem controlados a partir do cérebro, deveria haver um registro de doenças no cérebro que pudessem ter pistas para entender melhor o processo. Por isso, analisou cuidadosamente os exames cerebrais de seus pacientes (a tomografia computadorizada surgiu na época como tecnologia de ponta) e, ao mesmo tempo, estudava em detalhes os registros médicos e psicológicos correspondentes. Para seu espanto, ele encontrou correlações entre os diferentes tipos de eventos traumáticos experimentados pelos pacientes, as diferentes mudanças no nível clínico e a manifestação de fenômenos muito característicos localizados em áreas específicas do cérebro (mais tarde chamados de “focos de Hamer”).

O Dr. Ryke Geerd Hamer nasceu em 1935 na Alemanha. Ele estudou medicina na Universidade de Tübingen, especializada em medicina interna em 1972. Trabalhou no Hospital Universitário de Tübingen como um internista cuidando de pacientes com câncer e, ao mesmo tempo, realizava sua prática médica privada com sua esposa Dr .. Sigrid Hamer.

Em 18 de agosto de 1978, enquanto em Roma, Hamer recebeu a notícia traumática de que seu filho Dirk havia sido seriamente ferido por uma arma de fogo. Em 7 de dezembro de 1978, Dirk morreu depois de passar vários meses no hospital sem ter conseguido se recuperar.

Apenas alguns meses após a morte de seu filho Dirk, o Dr. Hamer foi diagnosticado com câncer testicular metastático avançado. Ele realizou apenas um tratamento cirúrgico, sem quimioterapia ou radioterapia. Essa experiência inesperada e difícil levou-o a questionar se o desenvolvimento de seu câncer poderia estar ligado de algum modo à perda de seu filho. Intuição que marcou o início de uma importante história de descobertas científicas que ele fez no campo da medicina clínica.

A maneira como direcionou suas pesquisas foi notável porque até agora nenhum estudo se concentrou em investigar o papel do cérebro em processos de doenças, nem sobre o seu papel como um mediador entre processos mentais e os tecidos afetados.

Mais tarde, ele percebeu que todos os sinais, sintomas e alterações fisiológicas e histológicas mensuráveis ​​em estudos biomédicos são o resultado de diferentes respostas especiais, inicialmente adaptativas para a sobrevivência a situações inesperadas e traumáticas, que quando ocorrem, vão além da capacidade dos organismos de lidar com eles (isso pode ser corroborado em humanos e outros mamíferos).

É somente quando estas respostas se cronificam que se produzem adaptações incompletas que estão distantes da longe de homeostase e geram mudanças e que geram mudanças que vão restringindo o organismo e o coloca em risco de perder as funções e eventualmente a vida.

Em um tempo relativamente curto, entre o início 79 e o final de 81, Dr. Hamer foi capaz de coletar uma amostra importante de casos em que documenta todas essas correlações entre a psique, o cérebro e os órgãos com precisão e exatidão considerável. Ele reuniu toda esta evidência e descreveu uma série de princípios e leis biológicas propostas como uma tese de pós-doutorado para permitir uma cadeira na Universidade de Tubingen, na Alemanha para que se permitisse a ele continuar pesquisando e desenvolvendo suas descobertas. Para sua surpresa, o comitê universitário rejeitou seu trabalho e se recusou a avaliar sua tese, um caso sem precedentes. O material de sua investigação foi retirado e o assunto foi encerrado.

Naturalmente, o Dr. Hamer não entendeu o motivo dessa rejeição, mas continuou com seu trabalho e insistiu em sua habilitação. Pouco depois, ele recebeu um ultimato para deixar suas reivindicações sob a ameaça de que seu contrato não fosse renovado. Era extremamente difícil para ele entender por que ele estava sendo expulso da clínica por apresentar descobertas científicas bem fundamentadas.

Ele se recusou a renunciar a suas descobertas sobre a origem do câncer e doenças e de obedecer o que estabelecido oficialmente, então depois ele se retirou para seus consultórios particulares onde continuou a pesquisa por conta própria. Os bloqueios continuaram por alguns anos até que em 1986 uma sentença do tribunal alemão o proibiu de continuar a prática médica, retirando sua licença apesar do fato de que seu trabalho científico nunca foi desaprovado.

Privado de uma licença médica, o Dr. Hamer agora contava com outros médicos para obter exames cerebrais e prontuários médicos para continuar investigando. Em 1987 já havia analisado milhares de casos e expandiu suas descobertas em oncologia no campo da medicina interna, pode estabelecer leis biológicas observáveis, verificáveis ​​e reprodutíveis que regem muda o corpo no que chamamos de doença. Seu trabalho continuou a ser atacado e bloqueado, inclusive passou a ser alvo dos meios de comunicação apresentando-o como um charlatão, um curandeiro milagroso autoproclamado, líder de seita, o criminoso demente que negava tratamentos convencionais aos pacientes. Essa situação continuou e piorou até que ele foi preso duas vezes, primeiro em 1997 na Alemanha e depois em 2004 na França.

Vale ressaltar que ao longo dos anos, seu trabalho foi analisado e verificado várias vezes por grupos de médicos especialistas e associações profissionais, inclusive por algumas universidades, além do testemunho de milhares de pacientes com câncer que foram oficialmente descartados e que eles ainda estavam vivos depois de vários anos tendo sido ajudados graças às suas descobertas.

O Dr. Hamer foi liberado de seu segundo encarceramento em fevereiro de 2006 e pouco depois ele se aposentou para viver na Noruega, tendo anteriormente requerido asilo.

É provável que, devido a uma combinação de fatores como os longos anos de rejeição, sua luta contínua para ser ouvido, as frustrações devido à injustiça da situação e as tramas em que ele foi envolvido pela mídia, O Dr. Hamer caiu gradualmente em provocações e acabou na infeliz situação de misturar suas ideias políticas e ideologias com suas descobertas científicas ao longo dos anos. Isso gerou uma situação insustentável que, por um lado, o distanciou do campo acadêmico e, por outro, isolou-o da comunidade científica.

O Dr. Hamer passou os últimos 10 anos de sua vida na Noruega, onde continuou a pesquisar e publicar livros nos quais dedicava a maior parte do conteúdo de sua pesquisa. Ele faleceu em 2 de julho de 2017 em Sandfjord aos 82 anos.

Atualmente podemos dizer que os trabalhos originais do Dr.Hamer alcançaram a milhares de pessoas, senão milhões em todos os continentes e que embora às vezes, não possam compreender a profundidade tanto dos detalhes técnicos como nas implicações dos seus descobrimentos, muitas pessoas puderam experimentar os benefícios em sua saúde derivados do entendimento e uso efetivo das informações precisas fornecidas por essas 5 Leis Biológicas, sua descoberta.

Seu legado é uma contribuição inestimável nos campos da medicina, psicologia, biologia e ciência em geral, e é ao mesmo tempo um presente para a humanidade porque nos permite reconectar com a sabedoria de nossa natureza profunda com ciência e consciência.